.18 de julho de 2018

Memorial de Aires: a vida de um aposentado no século XIX.


Não é segredo para ninguém que sou grande fã do incrível Machado de Assis. Já li quase todos os seus romances, mas ainda não conhecia a narrativa Memorial de Aires, último livro escrito pelo autor e publicado no ano de sua morte, 1908. 
Sinceramente, eu não sabia nada a respeito dessa história, só vi o nome de Machado de Assis na capa e decidi lê-la. Engraçado. Esse livro se parece muito com outras obras do Realismo Machadiano, como Memórias Póstumas de Brás Cubas, e ao mesmo tempo tem várias diferenças, o que é muito bom. 
Em Memorial de Aires, temos acesso as entradas do diário do Sr. Aires, um diplomata aposentado que passou grande parte de sua vida na Europa e que agora está aproveitando o ócio de sua velhice em sua cidade natal, o Rio de Janeiro. Aires é um homem extremamente perspicaz e mostra-nos seu cotidiano e o de seus amigos e familiares de uma maneira interessante apesar de sabermos que no fundo nada daquilo nos é atraente. 
Isso nos faz refletir sobre o que é importante. Todos que escrevem um diário o fazem porque acreditam ter algo digno de nota em seus dias. Assim faz o nosso protagonista. Sem nenhuma grande pretensão ele nos conta o passar de seus dias.
Através dele, conhecemos algumas pessoas da sociedade carioca, sendo as mais notáveis para o narrador, a viúva Noronha e seus amigos, o casal Aguiar. A primeira, instiga uma aposta entre Aires e sua irmã, visto que a viúva, ainda muito jovem, perdeu o marido há pouco tempo e muitos dizem que ela não voltará a casar-se, contudo, nosso narrador é contrário a esse ponto de vista. Os segundos, trazem um certo tom autobiográfico ao texto, pois o casal Aguiar assemelha-se muito ao casal Assis. Ambos se amam muito, vivem pacatamente, não têm filhos... Até os nomes são parecidos! Tudo leva a crer que esse livro foi realmente um memorial, não da personagem Aires, e sim do próprio Machado de Assis.
É claro que o narrador vai nos mostrar o desenrolar dessas vidas. Será que a viúva Noronha casa ou continua sofrendo pelo falecido? A vida dos Aguiar é mesmo pacata ou eles têm dificuldades? Tudo isso e um pouco mais é descrito ao longo das entradas do diário, todas de maneira muito leve e divertida. 
Como era costume do autor, essa narrativa não traz uma história única ou mesmo linear, porém, não se preocupem, sua construção é bem diferente de Memórias Póstumas ou Dom Casmurro. A leitura flui rapidamente, os "capítulos" são curtos e a obra em si tem menos de duzentas páginas. Memorial de Aires não é uma história extraordinária, nem apresenta os traços característicos do Realismo Machadiano. É, de fato, um livro despretensioso de memórias de uma pessoa que viveu sua vida da melhor maneira possível. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentar leva apenas alguns segundos...Sua opinião é muito importante! =D

© LIVRE LENDO - 2016 | Todos os direitos reservados. | Blog de Andrea Morais | Tecnologia do Blogger