.27 de julho de 2018

Caetés de Graciliano Ramos: um relacionamento incerto


     Caetés foi a primeira publicação de Graciliano Ramos, membro do “panteão sagrado de autores brasileiros”. É assim que eu chamo esse grupo de escritores que somos obrigados a estudar no ensino médio e que geralmente detestamos. Assim como você, eu também acho horríveis as leituras obrigatórias. Portanto, sou adepto da leitura livre, de deixar ler o que se quer ler. Essa é a premissa para que adolescentes tomem gosto pela leitura, todos sabemos disso.
     Enfim, voltemos ao Graciliano. Como sabemos, ele iniciou sua carreira como jornalista, passando um tempo no Rio de Janeiro. Logo depois, teve de voltar para sua terra natal, o solo alagoano, devido a uma epidemia de peste negra que levou os irmãos. Neste ponto, estabelece-se em Palmeira dos Índios, cidade onde se torna prefeito por dois anos.
    Dito isso, após todo este trajeto de vida, Graciliano Ramos escreve, em 1933, seu primeiro romance. Ou seja, até aqui nessa história nós ainda não temos o Graciliano membro do panteão sagrado lá do início do texto. Aos 41 anos, este político jornalista vai adquirir a patente de escritor: assim nasce Caetés.
      Trata-se de um texto curto e muito bem construído. Narrado em primeira pessoa, acompanhamos a trajetória de João Valério, um protagonista medíocre. Empregado há cinco anos no comércio de Adrião, João Valério julga-se apaixonado por Luisa, a esposa do patrão. Portanto, esta é a trama principal da história.
    Particularmente, eu divido este romance em duas partes. Na primeira, que vai até o capítulo dezoito, Graciliano Ramos trata de construir o cotidiano das personagens. Sendo assim, temos:
  • Isidoro Pinheiro: Melhor amigo do protagonista João Valério. Age como conselheiro de João, alertando-o sempre que algum problema está para acontecer.
  • Padre Atanásio: O religioso que pouco entende de religião. Atua muitas vezes como agente moralizador, contudo o que conhece da Bíblia vem do que os outros lhe dizem.
  • Dr. Liberato: O médico que fala complicado e ninguém entende. Com certa frequência entra em discussões com o vigário por conta de suas ideias contrárias à religião.
  • Clementina: Moça melancólica que sonha em se casar, no entanto nunca encontra um pretendente. Certo dia, em uma sessão kardecista, um espírito anuncia que ela finalmente se casará.
  • Dr. Castro: Promotor corpulento que chega em Palmeira dos Índios e se torna noivo de Clementina. Contudo, o tempo passa e ele sempre adia o tal casamento.
     Nessa primeira parte da história o narrador João Valério fica o tempo todo tentando conquistar o coração de Luisa e sofre diversas rejeições. Todavia, a situação dos dois muda após o capítulo dezoito, devido a uma viagem que Adrião, marido de Luisa, terá de realizar.
     Na segunda parte da história, Graciliano Ramos mantém o foco no romance entre João Valério e Luisa. Após as insistentes investidas do protagonista, a mulher de Adrião, tendo o marido longe, sucumbe ao adultério. Todavia, o texto é escrito de tal forma que eu não a julgo uma “criminosa” ou “pecadora”, por assim dizer.
     De fato, o contexto dessa narrativa é bem diferente de uma Capitu da vida. Um adendo: não estou julgando a personagem de Machado de Assis, mas todos sabemos que Capitu tinha olhos oblíquos e dissimulados. Já Luisa é nitidamente uma mulher insegura, muitas vezes hesitante em suas atitudes para com o amante.
    A partir daqui, e ainda mais depois do capítulo vinte e dois, ocorrerão uma sucessão de eventos que mudarão o teor da história. Particularmente, achei-a mais envolvente nesse final. E o desfecho me causou uma bela reflexão a respeito da cobiça e da inveja. Não vou expor mais do enredo para não estragar a leitura de quem tiver interesse nos Caetés, em todo caso recomendo muito a leitura.


Por Samuel de Andrade


Esta é a segunda resenha que fazemos a respeito desse livro aqui no blog, caso queira ler a primeira, clique aqui

14 comentários:

  1. Achei super interessante essa resenha, ainda não conhecia esse autor.
    https://blogdajenny2014.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi, tudo bem ?

    Amei o post, pois a literatura brasileira é bastante rica e deve sim ser mais lida e ressaltada. Tem histórias intrigantes e ótimas dicas de leituras assim como Graciliano Ramos é um dos grandes nomes .

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente com você! Nossa literatura é incrível! =)

      Excluir
  3. OI Samuel, tudo bem?

    Não conhecia a obra, mas as suas palavras já me conquistaram e me deixaram com vontade de realizar a leitura. Gosto dessa forma do leitor levar o enredo, é algo que realmente me agrada. Interessante saber que a Luisa é insegura, principalmente em relação ao marido, pois não é comum. Adorei o post!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Samuel não pode responder porque está sem pc.
      Fico muito feliz que tenha gostado da resenha dele! =)

      Excluir
  4. Concordo muito com o que você disse de que a leitura obrigatória não ensina ninguém a gostar de ler, muito pelo contrário. Eu mesma, sempre fui uma leitora ávida, mas sofri com essas leituras obrigatórias na época da escola. Do Graciliano Ramos só li uma obra, "Angústia", e foi uma leitura extremamente difícil, tanto que nunca mais li nada dele. Mas pela sua resenha, Caetés parece ser uma leitura mais tranquila, ou talvez hoje eu tenha mais maturidade para ler esse tipo de livro, além de quê estarei lendo por vontade própria e não obrigada. Darei uma chance, com certeza.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo com você. Leitura obrigatória não ajuda muito... Convido-te a ler outras obras desse autor, ele é maravilhoso.

      Excluir
  5. Tenho feito uma ronda por autores de língua portuguesa, penso que já ouvi o nome de Graciliano como um escritor consagrado no Brasil, mas nunca li nada dele, mas fiquei curioso, ainda neste julho li um autor de Manaus que considerei um excelente escritor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, autor de Manaus?? Diz o nome dele para gente pesquisar!
      Espero que possa ler Graciliano Ramos, ele traça um panorama bem rico da sociedade brasileira do começo do século XX. =)

      Excluir
  6. Confesso que o Graciliano é um daqueles autores com os quais eu criei uma birra, justamente por conta desse fator da obrigatoriedade. São vários autores que eu não li na época da escola e nunca li desde então.
    Tenho que corrigir essa falha que tenho na minha formação literária.
    Adorei a resenha. Fiquei realmente interessando pelo livro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A gente entende isso muito bem. Uma pena que ainda não tenham percebido que obrigatoriedade não é a chave para incentivar a leitura =/

      Excluir
  7. Ahh sua resenha me despertou a vontade de conhecer a escrita de Graciliano. Eu tenho esse livro mofando aqui na minha estante, e essa resenha me deu forças para pega-lo e finalmente ler <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou!! Espero que leia e goste da experiência =D

      Excluir

Comentar leva apenas alguns segundos...Sua opinião é muito importante! =D

© LIVRE LENDO - 2016 | Todos os direitos reservados. | Blog de Andrea Morais | Tecnologia do Blogger