.12 de maio de 2018

A Cor do Leite - Nell Leyshon

Mais uma vez, li um livro às escuras sem saber absolutamente nada sobre e estou estarrecida, chocada e muito triste com essa história.


Em A Cor do Leite, conhecemos Mary, uma adolescente da primeira metade do século XIX, que viveu quatorze anos de sua vida na fazenda de seus pais sendo alvo constante de brutalidade e descaço. Ela é a caçula e, dada a cor de seu cabelo "branco como o leite" e uma deficiência na perna, acredito que ela seja albina, mas isso não é falado e não tem muita relevância no enredo. 
Infelizmente, para seu pai. Mary e suas três irmãs nasceram mulheres e ele, para compensar essa "falta de sorte", as faz trabalhar como escravas e desconta suas frustrações agredindo-as. Mary jamais fica calada diante disso e tem sempre uma resposta na ponta da língua o que a faz perspicaz aos olhos do leitor e sofrer ainda mais. 
Um dia, sem nenhuma explicação, seu pai a envia para a casa do pastor da aldeia a fim de trabalhar como empregada doméstica. Mary vai mesmo não aceitando a situação, pois não tem escolha mesmo... Lá, ela conhece os patrões e cuida da dona da casa que tem uma saúde bem frágil. É perceptível a revolta de Mary, a forma quase animalesca na qual ela cresceu, sendo regida pelos instintos, com uma objetividade voraz e ingênua até; Conceitos como Deus e Amor lhe são incompreensíveis, ela não gosta do pai, contudo não o recrimina por tratá-la mal. 
A Cor do Leite é dividido pelas estações que passaram entre os anos de 1830 e 1831. A narração é bem diferente de todas que li até hoje, porque não há sintaxe! Sinceramente, nas primeiras três páginas estranhei bastante e quase larguei a leitura; Decidi ler algumas resenhas e elas me deixaram bem intrigada com o enredo e voltei à história e não larguei até acabar. 
Ao longo da leitura, compreendi o quão realista a obra ficou, pois é narrada em primeira pessoa por uma moça recém alfabetizada, que viveu em uma fazenda toda a sua vida, ao lado de pessoas também analfabetas, no começo do século XIX, ou seja, ela não poderia conhecer sintaxe da mesma forma que desconhece regras sociais. 
Além disso, percebi também que a autora tentou ser o mais realista possível quanto a situação das empregadas domésticas nesse período histórico. Mary, raramente pode visitar sua família, não recebe seu salário (ele é todo dado nas mãos do pai), seus patrões sabem que ela não gosta de lá, mas não se importam e a forçam a ficar usando de chantagens mesquinhas, nojentas e ultrajantes! Em diversos momentos, lembrei-me de Tess of the D'Urbervilles porque ambas as moças sofrem muitas desventuras e são tão jovens e podiam ter destinos bem diferentes... 
Recomendo muito A Cor do Leite, entretanto ele tem alguns vários momentos que podem ser gatilhos para muitos, principalmente, para nós mulheres... Logo, se você não está em um bom momento, deixe essa leitura para depois, caso decida conhecê-la, prepare seu coração, pois é um livro intenso com uma história muito sofrida. 

20 comentários:

  1. Fiquei bem intrigada a respeito do livro, nunca tinha ouvido falar sobre ele e achei bem interessante você reforçar para ler quando tiver bem por se tratar de assusto bem polêmicos e pesado.
    vou pesquisar mais sobre essa obra e quem sabe ler futuramente.

    Bjus** http://imagine-livros.blogspot.com.br/?m=0

    ResponderExcluir
  2. Eu gosto muito desse tipo de obras, mas saber que ela contém gatilhos me deixa um pouco preocupada, pois esses livros têm mexido comigo, sabe? Também acho muito legal o fato de a obra ser real.
    Vou super anotar a dica e não posso deixar de elogiar sua resenha, está impecável.
    Beijos,
    http://www.umoceanodehistorias.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Melhor, você analisar bem o momento no qual está porque o livro tem gatilhos como abuso, agressão física, psicológica e estupro.

      Excluir
  3. Eu tenho muito interesse neste livro, mas a verdade é que não li ainda. Tenho certeza que a leitura desperta mesmo muitos gatilhos, e obrigada pelo aviso.
    Bjs, Rose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que leia e faça resenha dele também, Rose! Mas, cuidado, ele tem mesmo gatilhos pesados =(

      Excluir
  4. Olá, tudo bem?
    A resenha me lembrou um pouco outro livro "A cor púrpura" ele também é escrito com vários erros, já que a narradora é semianalfabeta. Esse livro também se passa no século XIX e a narradora é negra, marginalizada e sofre maus tratos em casa após a morte da mãe. Uma história de apertar o coração, não sei se você já conhece, como gostou deste livro acredito que irá gostar bastante da leitura "A cor púrpura".
    Fiquei interessada em realizar a leitura, gosto de livros que transmitem essa veracidade e foi a primeira vez que ouvir falar dele.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Anna!
      Eu já tinha ouvido falar de A cor púrpura sim!! Só não consegui adquirir um exemplar ainda, mas quero muito lê-lo!!
      Espero que goste de A cor do leite, infelizmente, não é um livro muito divulgado =/

      Excluir
  5. Oi, tudo bem?
    Eu ainda não conhecia esse livro, mas confesso que não fiquei muito curiosa para ler. Parece ser uma leitura muito forte e real, mas, apesar de achar isso interessante, fico com um certo receio de ler. Além disso, eu entendo que a autora quis deixar o livro o mais realista possível, mas não sei se teria paciência com a ausência de sintaxe.
    De qualquer forma, adorei a sua resenha e fico feliz que a leitura tenha valido a pena.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente, não é um livro para qualquer um. É bem triste, mas foi mesmo um ótima leitura e a sintaxe só incomoda nas primeiras páginas.

      Excluir
  6. Oii, tudo bem?
    Eu ainda não conhecia esse livo, mas fico feliz de saber que a autora tentou tonar tudo o mais realista possivel, contudo, eu não estou em uma fase muito boa da minha vida, então acho que vou deixar esse livo mais pra frente quando meus animos estiverem melhor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá certa. Guarde a dica para um outro momento =)
      E melhoras! <3

      Excluir
  7. Oi Andrea!
    Primeira resenha que leio e confesso que me deixou intrigada. Parece ser uma história forte e que, aparentemente, iria me deixar bem emocionada. E o fato dele ser bem realista atiçou ainda mais a minha curiosidade.
    Parabéns pela resenha!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Neyla!!
      Espero que faça essa leitura e goste tanto quanto eu =)

      Excluir
  8. OIe
    eu amo muito esse livro, com certeza tem um enredo pesado e mega triste mas super realista, vale totalmente a pena, um dos melhores que já li do gênero

    beijos
    http://www.prismaliterario.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou da leitura!! Conheço pouquíssimas pessoas que também leram esse livro! =D

      Excluir
  9. Hey!

    Eu não conhecia a obra, mas achei extremamente interessante, gosto quando os autores tentam trazer realidades aos livros, principalmente os que possuem essa temática. Vou pesquisar mais sobre a obra.

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Gostei bastante da resenha, mas apesar de ter ficado curiosa, não sei se é um livro que leria, pois não faz muito meu estilo. :)

    Bjs!

    ResponderExcluir

Comentar leva apenas alguns segundos...Sua opinião é muito importante! =D

© LIVRE LENDO - 2016 | Todos os direitos reservados. | Blog de Andrea Morais | Tecnologia do Blogger