.24 de abril de 2018

Marília de Dirceu - Tomás Antônio Gonzaga


Já deu para perceber, pelo enorme número de zero resenhas, que eu não leio muito poemas... Resolvi mudar isso a partir desse ano e comecei com o quase autobiográfico Marília de Dirceu de Tomás Antônio Gonzaga, autor conhecido de minhas aulas de Literatura. 
Quando falamos de livros clássicos é importante mostrar o contexto histórico-cultural da época na qual eles foram escritos para tentar nos aproximar da realidade encontrada neles e com Marília de Dirceu isso não poderia ser diferente. 
No século XVIII (anos de 1700) a extração de ouro e pedras preciosas no Brasil era muito importante e enriquecia tanto Portugal quando a colônia, possibilitando a muitas famílias enviarem seus filhos (homens, é claro...) a Europa para estudar, pois ainda não havia universidades em nosso país. Esses jovens voltavam com ideias revolucionárias de liberdade, culto a natureza e lógica greco-romana, culminando, nas artes, a criação do Arcadismo ou Neo-classicismo e, na política, a Inconfidência Mineira, movimento contra a coroa portuguesa que, como sabemos, não deu nada certo... 
Tomás Antônio Gonzaga foi um dos intelectuais a participar da revolta e a ser preso e exilado na África. Durante o cárcere ele começa a escrita de seu livro mais famoso, enaltecendo seu amor por Marília, a bela, usando o pseudônimo de Dirceu, mas percebemos a cada verso o tom autobiográfico da obra. 
Dividido em três partes, Marília de Dirceu traz diversas liras (poemas cantados) e alguns sonetos. Na primeira parte, vemos um tom bem bucólico, cheio de beleza, amor, esperança e muitas referências à mitologia grega e a idealização da mulher, algo já esperado do Arcadismo; A segunda parte, no entanto, é repleta de desespero, amargura, dor e saudade, ainda há a representação do amor por Marília, contudo, sempre pontuado por alguma sentença deprimida; A terceira apenas complementa as outras duas. É perceptível como na primeira parte, apesar de preso, o autor não parecia preocupado com uma possível punição, contudo, a partir da segunda, o tom muda tão drasticamente, a melancolia e desesperança imperam deixando todo aquele clima bucólico bem sombrio. 
Gostei da experiência de leitura, mesmo sendo algumas liras bem repetitivas e várias, quase todas da primeira parte, verdade seja dita, serem machistas, algo muito chato, mas compreensível pelo período histórico. Indico Marília de Dirceu a todos que gostem de ler poesia e/ou de livros clássicos  e gostem, como eu, de analisar outros prismas de uma mesma realidade, pois aqui o autor mostra bastante sua insatisfação com o final nada favorável da Inconfidência Mineira, sem citá-la, um banquete de intertextualidade, sem dúvidas. 

10 comentários:

  1. Oi oi
    Nunca li nada do gênero para ser bem sincera, mas eu gostei tanto da forma em que você introduziu tão bem uma resenha, fazendo com que todos aqueles que gostem de história e literatura, se interessar por ler.
    Colocarei na minha lista de leitura, e farei aquele esforcinho.
    Parabéns! Tu escreve bem demais.

    Abraço.
    www.johanymedeirosutopia.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Johany!!
      Espero que goste da leitura, é bem legal =)
      Bjs

      Excluir
  2. Parabéns pelo excelente post, muito interessante.
    Eu sou apaixonada por poemas, e é muito bom conhecer um pouco das histórias deles e de seus escritores!
    Beijos'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Vanessa!!
      Se você já gosta de poemas, vai adorar esse livro então =)
      Bjs

      Excluir
  3. Oi Andrea. Eu gosto de livro de poesias/poemas, mas faz tempo que não pego um do gênero. Fiquei curiosa sobre esse, com todo esse clima de prisioneiro sofrendo pela sua condição e seu amor perdido. Além de querer entender como as três partes se desenvolvem. Adorei sua resenha, parabéns. Beijos

    https://almde50tons.wordpress.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Raíssa!
      Realmente, esse poemas praticamente contam uma história sabe? Gostei bastante do livro, espero que você também goste. =)

      Excluir
  4. Eu também não tenho o costume de ler poesias, por mais que ache lindo! Sabe que me interessei por essa sua indicação? O contexto histórico me chamou bastante atenção.

    www.estante450.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Cássia, eu só li mesmo por causa do contexto histórico e me surpreendi positivamente! =D

      Excluir
  5. Não conhecia esse livro mas achei super interessante pela sua resenha, vou procurar para ler, obrigada pela dica!

    https://maisumagurianomundo.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Comentar leva apenas alguns segundos...Sua opinião é muito importante! =D

© LIVRE LENDO - 2016 | Todos os direitos reservados. | Blog de Andrea Morais | Tecnologia do Blogger