.21 de novembro de 2017

Americanah - Chimamanda Ngozi Adichie


Falar que os romances de Chimamanda Adichie são maravilhosos é "chover no molhado", mas o que fazer? A mulher tem uma escrita primorosa e aborda temas importantíssimos, além de ser feminista. Como não amá-la? 

Americanah nos apresenta um panorama bem dinâmico e comparativo da Nigéria dos anos 90 e atual e dos E.U.A nos mesmos períodos. Ifemelu e Obinze são nossos protagonistas. A primeira é mais acompanha por nós ao longo da narrativa, enquanto o outro tem capítulos mais curtos e pontuais. Os jovens se conhecem no ensino médio e tornam-se um casal bem incompreendido, visto que ambos são feministas. Apesar dessa palavra não ser utilizada, eles têm atitudes que destoam, e muito, dos "padrões" impostos por sua sociedade essencialmente tribal e machista. 
Mas, por causa das constantes greves e da situação difícil do país, Ifemelu vai estudar nos Estados Unidos e descobre uma realidade que nunca fora importante até então: ela é NEGRA. 
Na África, isso nunca foi um problema, nunca houve "questões raciais", e na América tudo gira em torno disso. Se for a uma entrevista de emprego com o cabelo afro, significa que não "profissional", se falar do racismo tal como ele é, será tachada de "agressiva" e "vitimista"... O sonho americano, vira um pesadelo cheio de situações humilhantes que fazem Ifemelu separar-se de Obinze por não conseguir compartilhar sua vergonha com ele. 
Nós, leitores, veremos então o desenvolvimento dessas duas personagens separadamente por um período de quinze anos no qual cada um passou por situações terríveis, contudo, conseguiram ultrapassar os obstáculos e vencer, tornando-se dois adultos independentes e bem-sucedidos. 
O problema é que tanto Ifemelu quanto Obinze permanecem com a sensação de incompletude um sem o outro, o que ocasionará série de mudanças drásticas em suas vidas... 
Esse é, até agora, o melhor romance da autora. A forma leve e descontraída como Chimamanda nos mostra a trajetória de sucesso e superação de suas personagens é carregada de críticas e reflexões, sem ser didática. Você realmente se sente parte da história, se sente integrado a ela, mas sem toda aquela carga dramática tão presente em Hibisco Roxo e Meio Sol Amarelo
Mais uma leitura recomendadíssima dessa autora que mudou o cenário literário atual e elevou a África e a mulher negra a um patamar que vai muito além de meros esteriótipos. 


4 comentários:

  1. Olá!! Gostei demais da sua resenha e opinião sobre a escrita da escritora e como você abordou o assunto do romance. Confesso que nunca li nada da autora mas, me interessei.
    Beijocas.

    www.meumundosecreto.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Que bom que gostou Vanessa! Espero que possa conhecer essa autora porque ela é incrível! =)
      Bjs

      Excluir
    2. Adorei esse livro, grande mas com imensa informação sobre racismo, a condição da mulher e a vida na Nigéria. Nunca li Meio sol amarelo, mas adorei Hibiscos Roxos (como se chamou em Portugal)

      Excluir
    3. Olá!
      Também adorei essa leitura, para mim foi a melhor da autora até agora, porque é mais divertida do que as outras e estava querendo ler algo mais leve mesmo.
      Espero que possa ler Meio Sol Amarelo se você gosta de História, com certeza vai adorar esse livro =)

      Excluir

Comentar leva apenas alguns segundos...Sua opinião é muito importante! =D

© LIVRE LENDO - 2016 | Todos os direitos reservados. | Blog de Andrea Morais | Tecnologia do Blogger