.3 de julho de 2017

Os Maias - Eça de Queirós


Mais um clássico da literatura de língua portuguesa, agora, trazendo características do Realismo, Determinismo e Naturalismo condensadas em uma única narrativa com ares de romance. 
Em Os Maias, vamos acompanhar a vida de três gerações dessa família tendo como foco a terceira. O patriarca é Afonso da Maia, um homem inteligente, de caráter ativo e prático, além de ser muito aristocrata, este casa-se com uma Maria e tem um filho, Pedro, rapaz romântico e muito mimado pela mãe, não sabe se virar sozinho como o pai gostaria e é extremamente sentimental e emotivo. Na juventude, Pedro conhece uma Maria Monfort, moça rica e muito bonita, mas com um passado um tanto quanto escuso, visto que o pai foi contrabandista de escravos, algo que nessa nova sociedade portuguesa é horrível e imoral (lembrando que todos eram escravocratas antes, né....), por isso, quando o rapaz avisa ao pai de seu casamento com a moça, este não aceita e eles cortam relações. Os anos passam e de repente, Maria Monfort abandona o marido com o filho pequeno e foge com um italiano levando a filha primogênita.  Esse episódio abala demais o emocional de Pedro e este suicida-se, deixando Carlos, seu filho, com o avô. 
Afonso, então, decide criar o neto "a inglesa" deixando a religião de lado e fazendo com que o menino seja um homem "de verdade" sem grandes inclinações românticas e descabidas como seus antepassados mais diretos, porém, esse livro funciona, praticamente, como uma tese determinista, ou seja, o fato de Carlos ter três parentes próximos com essas inclinações farão com que ele também seja assim, ou o rapaz conseguirá sobressair-se ao meio e ser bem-sucedido como o avô? 
Pois tudo corria muito bem e nosso protagonista agora médico tinha uma vida muito boa, seu trabalho, alguma amante ocasional, amigos, diversão... Até que ele conhece mais uma Maria, essa, Maria Eduarda, uma mulher também bonita, com passado também escuso... 
Enfim, não vou contar como será o relacionamento entre esses dois porque apesar de ser um clássico, talvez muitos não saibam do que se trata o clímax da obra, logo, não quero estragar a surpresa, mas acho que não fui "talhada" para gostar dos textos desse autor... 
Antes de mais nada, reconheço a importância de Eça de Queirós em nossa literatura, porém, não consigo gostar das personagens dele! Eu não me identifico com nenhuma delas, acho suas descrições enfadonhas e suas histórias irritantes! É por isso que digo, acabou, não pretendo ler nenhum outro livro desse autor por um bom tempo, vamos ver se com o passar dos anos eu deixe essa má impressão de lado, mas, por enquanto, termina aqui minha saga literária com Eça de Queirós. 


12 comentários:

  1. Olá!
    Faz um tempinho que não leio um clássico, nunca li Eça de Queiroz e acho que depois dessa resenha vou continuar assim. Valeu a dica
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Eu nunca li nada de Eça, assisti aos seriados baseados nos livros. E não tenho nada contra aos clássicos já li vários nacionais e estrangeiros, mas te digo que não gosto, claro que tenho exceções.
    Quando era mais jovem morria de vergonha de dizer não ter lido ou não ler um determinado gênero, me sentia até menos inteligente que os demais, mas hoje não tenho mais esse problema , reconheço a importância deles na literatura, mas hoje eu defino meu decálogo literário. rs

    ResponderExcluir
  3. Oie,

    Esse cara escreve muito bem né!!!
    Lembro que li algumas coisas dele na época da escola... e fiquei encantada!
    Esse ainda não li, mas vou deixar a dica anotada por aqui já!

    Beijokas!

    ResponderExcluir
  4. Hey,
    Ainda não li esse livro e acho que nada do autor, pois é, moro debaixo de uma pedra. Gostei da sua resenha e fiquei curiosa para saber qual é esse clímax que você disse, será que ele me surpreende?
    Vou anotar a dica, sem dúvidas.
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Olá! Eu não sou muito fã de clássicos. Mas gostaria de conhecer esses personagens haha Será que terei a mesma impressão que você teve?
    Espero que não dê uma ressaca literária hahaha
    Quem sabe mais para frente eu leio esse livro.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Olá! Nuca li algo de Eça de Queiros. Mas, Os Mais é um grande clássico da literatura. A premissa é bem interessante, tenho certeza que deve ser um enredo fantástico, parabéns pela resenha, beijos!

    ResponderExcluir
  7. Olá... confesso que li Os Maias no ensino médio e não me recordava bem da história, entendo porque, assim como você não gosto das personagens dele... a descrição não são das melhores e você fica irritada só de ler... por isso passei muito tempo sem ler clássicos, fiquei com birra... xero!!!

    ResponderExcluir
  8. Olá!

    Não li Os Maias na escola, mas tive toda uma aula sobre Eça de Queirós. Infelizmente, como todo mundo, mergulhei na literatura brasileira de modo errado, através das leituras obrigatórias escolares...

    ResponderExcluir
  9. Boa noite
    sua resenha está ótima, mas esse autor... Até hj só tentei ler O primo Basílio, e acabei desistindo justamente pelas descrições q vc citou.

    ResponderExcluir
  10. Kkkkkkkk adorei a toalha branca! Faz muito tempo que não leio Eça, mas nunca fui fã dele kkkkkkk então bem vinda ao time kkkkk

    Beijokas

    ResponderExcluir
  11. Olá...
    Sempre vejo esse livro nas redes sociais, mas, sempre faltou aquela fagulha que me fizesse desejar a leitura, sabe? Porém, ao ler sua resenha fiquei com vontade de ler e acho que já vou encomendar meu livro...
    Bjo

    ResponderExcluir
  12. oiii!!!
    Nunca li nenhum livro da autor, mas tenho um pouco de trauma de livros nacionais escritos antigamente. Todos que eu li, não entendia nada kkk ou ficava muito confusa. Mas como você disse que não gostou muito da obra, vou deixar passar. Quem sabe mais pra frente eu tente algo do autor.
    Beijos

    ResponderExcluir

Comentar leva apenas alguns segundos...Sua opinião é muito importante! =D

© LIVRE LENDO - 2016 | Todos os direitos reservados. | Blog de Andrea Morais | Tecnologia do Blogger