.27 de fevereiro de 2016

O Amor nos tempos do Cólera - Gabriel García Márquez



O que você faria se tivesse uma paixão avassaladora por alguém que simplesmente não te desse a mínima? Ou que olhasse para você como se fosse um ninguém, apenas uma pobre alma digna de pena? Com quase toda certeza, sua resposta seria: - Aff, deixava para lá, nada como o tempo para esquecer esses amores.... 
Pois é, foi exatamente isso que não fez Florentino Ariza, uma das personagens mais apaixonadas e apaixonantes que tive o prazer de conhecer. 

[...] "Florentino Ariza tinha a resposta preparada havia cinquenta e três anos, sete meses e onze dias com as respectivas noites." [...]  

Durante todo o século XIX o território da América Central viu-se infestado pelas epidemias de Cólera e esta será uma constante na vida das personagens desse romance. 
Florentino Ariza, um jovem telégrafo conhece Fermina Daza ao enviar um telegrama ao pai da moça. Eles começam um relacionamento amoroso permeado pelas belíssimas cartas de Florentino e as respostas frias de Fermina. Quando o pai da moça descobre o romance, decide mandá-la para bem longe a fim de que esta esquecesse o rapaz, algo que ela não faz. Os dois jovens continuam a se corresponder, mas ao voltar para a cidade onde tudo começou, Fermina desencanta-se com o amado e decide esquecê-lo, no entanto, ele nunca a esquecerá. 
Ao saber que sua amada casou-se com o doutor Juvenal Urbino, Florentino faz uma promessa: esperará pela morte do rival para poder reconquistar a mulher de sua vida. É claro que apesar de estar "comprometido" com Fermina, ele não deixa de viver, tem vários casos amorosos, torna-se um excelente partido, mas tudo isso ele fez por ela, sem nunca conseguir de fato esquecê-la ou amar outra mulher. 
Fermina, por seu lado, é a típica mulher burguesa de seu tempo, ligada as aparências, ao orgulho, tudo o que ela faz ou pensa tem sempre uma preocupação com o que os outros pensarão a seu respeito, algo que sempre a impediu de amar Florentino. 
Caso você não saiba, esse livro é um exemplo de realismo-fantástico, ou seja, muitos fatos e elementos que constituem essa narrativa, simplesmente não existem em nossa realidade, pelo menos não com a mesma intensidade. Mas, não confunda realismo-fantástico com o gênero fantástico, porque aqui você não terá a presença de seres sobrenaturais, e sim, uma valorização dos sentimentos e situações extraordinárias como se fossem comuns, um grande exemplo disso é o amor de Florentino que dura mais de cinquenta anos sem ter qualquer encorajamento por parte de Fermina. 
Esse livro foi uma das melhores leituras desse ano e talvez até da minha vida. A maneira como o autor constrói o caráter das personagens e as situações torna tudo muito real e nós acreditamos ser possível tudo aquilo que ele nos diz. 

Estou, mais uma vez, numa ressaca literária das bravas...


2 comentários:

  1. Oi tudo bem? Sempre escuto muito falar desse autor, mas nunca li nada dele. Espero algum dia ler hahaha
    Aliás, seu blog foi marcado em uma tag que fiz em meu blog, se puder dar uma olhada: http://lapsodeleitura.blogspot.com.br/2016/02/tag-liebster-awards.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é muito bom!! Eu li esse livro primeiro porque sempre tive muita curiosidade, mas há um outro "Cem anos de solidão" que dizem ser ainda melhor!! Obrigada por me taguear!! Vou ver sim!! *____*

      Excluir

Comentar leva apenas alguns segundos...Sua opinião é muito importante! =D

© LIVRE LENDO - 2016 | Todos os direitos reservados. | Blog de Andrea Morais | Tecnologia do Blogger